O que é a  Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção (PHDA)?

A Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção (PHDA) é uma perturbação do neurodesenvolvimento, ou seja na qual alterações no funcionamento cerebral e cognitivo. Esta perturbação afecta crianças, jovens e adultos.

Nesta perturbação pode haver afectação em uma ou mais das seguintes áreas:

Défice de atenção: dificuldade em permanecer atento e ignorar o que não interessa. As queixas típicas são a relutância em iniciar atividades que requerem concentração, interrupções frequentes, demora em concluir as tarefas e a desorganização. A dificuldade de concentração pode não ser evidente em atividades com ecrã e ação (como a televisão e os videojogos), acentuando-se nas atividades mais monótonas e menos motivantes.
Hiperatividade: atividade motora em excesso do que seria adequado para a idade; estar semprea movimentar-se e não conseguir estar quieto, sem fazer nada, calado ou sossegado. A hiperatividade pode ou não estar presente. e tende a ser menos prevalente nos adolescentes.
Impulsividade: dificuldades na auto-regulação, em controlar os impulsos, em esperar pela vez, passando aos atos sem pensar nas consequências.

Sintomas

De seguida apresentamos alguns exemplos de sintomas ordenados por domínios:

Desatenção

  • Desorganização; falta foco;
  • Falta de atenção aos detalhes e erros de descuido;
  • Dificuldade em manter-se focado num tópico enquanto fala, não ouvir os outros, não seguir regras sociais;
  • Esquecer atividades e compromissos diários;
  • Distrair-se facilmente com sons irrelevantes.

Hiperatividade

  • Contorcer-se, mexer braços ou pernas quando esta sentado;
  • Levantar-se frequentemente para andar ou correr;
  • correr ou trepar objetos quando não é apropriado;
  • Estar inquieto/irrequieto;
  • Dificuldades em brincar sossegado ou praticar hobbies calmos;
  • Estar sempre “ligado”;
  • Falar excessivamente;
  • Estar constantemente em movimento, a saltar ou ter dificuldades em participar em atividades individuais ou de grupo que requerem estar quieto/calmo (ex. ouvir uma história);
  • Nas crianças em idade escolar estas dificuldades podem ser menos notórias. Nos adolescentes e adultos os sintomas podem assumir a forma de sensações de inquietação ou agitação, ou dificuldades em realizar atividades calmas quando estando quieto.

Impulsividade

  • Impaciência;
  • Dificuldade em esperar para falar, reagir;
  • Dificuldade em esperar pela vez;
  • Responder antes da outra pessoa acabar de fazer as perguntas;
  • Interromper os outros ou intrometer-se frequentemente; podendo mesmo causar problemas sociais ou laborais;
  • Iniciar conversas em momentos inoportunos;
  • Acidentes frequentes (ex. embater em objetos ou pessoas);
  • Fazer coisas arriscadas sem parar para pensar nas consequências (ex. trepar mobílias ou obstáculos colocando-se em perigo);
  • Estes sintomas ocorrem frequentemente e dificultam o funcionamento tendo em conta o que seria esperado para as crianças da mesma idade e nível desenvolvimental.

Nas pessoas com este diagnóstico os comportamentos são incontroláveis e invadem o funcionamento diário seja na escola, casa, família, podendo mesmo afectar os relacionamentos familiares e com amigos, rendimento escolar, profissional e social.
Muitas vezes as crianças e jovens com esta perturbação são categorizadas por familiares professores como “mal-comportadas”, disenteressadas ou distraídas, e os adultos como distraídos ou irrequietos, quando na realidade existe uma base neurodesenvolvimental subjacente que justifica os comportamentos desadequados. Estes sintomas podem ainda ter por base ou estar ligadas a uma lesão cerebral.

 
Como podemos ajudar? – Avaliação e Tratamento Especializados

A nossa metodologia de avaliação é integrada e detalhada, reunindo vários profissionais especialistas. Fornecemos uma resposta rápida e especializada, ao contrário do procedimento habitual no qual o diagnóstico é realizado após uma avaliação reduzida ou em que paciente e familiares podem demorar meses a anos até terem um diagnóstico. Permite elaborar um diagnóstico fiável e robusto e propor um plano de intervenção ajustado às necessidade individuais e da família. Através da avaliação visa-se ainda entender se existe outra causa possível por trás dos sintomas e de um aparente diagnóstico de PHDA e definir precisamente quais os sintomas e manifestações nas diferentes áreas de vida e funcionamento; para desta forma intervir com precisão. A duração habitual do procedimento comporta entre 1 a 3 sessões.

O nosso tratamento incorpora os conhecimentos, metodologias, evidências científicas e tecnologias mais recentes num plano personalizado às necessidades e dificuldades individuais e familiares

O procedimento diagnóstico pode incluir:

  • Avaliação neuropsicológica
  • Avaliação comportamental
  • Avaliação médica e neurológica
  • Avaliação detalhada da atenção
  • Avaliação da atenção através de realidade Virtual (ex. atenção visual, auditiva, atenção)
  • Eletroencefalograma (EEG) (ex. EEG quantitativo para avaliação do padrão cerebral)
  • Avaliação sensorial detalhada (Avaliação Visual, Avaliação Auditiva e do Processamento Auditivo)
  • Neuroimagem, nos casos em que existam alterações potencilamente decorrentes de lesão cerebral (ex. acidentes de carro)
  • Avaliação familiar

O tratamento pode incluir um ou mais das seguintes abordagens:

  • Terapia comportamental
  • Treino computorizado de atenção
  • Treino de atenção através de Realidade Virtual
  • Terapia ocupacional
  • Neurofeedback (o paciente aprende a regular a sua atividade cerebral enquanto joga um jogo de computador e a sua atividade cerebral é monitorizada através de EEG)
  • Medicação

Marcações e informações:
253 137 687
info@cerebro.org.pt